Manifesto pela Vida, pela Paz, pela Igualdade

 

A cada dia, morrem 35.000 crianças de  fome no mundo, segundo a FAO.  È um  genocídio em proporções impresionantes,  a que assistimos impassivéis.  Ao mesmo tempo, calcula–se  que o  gasto diário em armamento chega a 2.800 milhões de dólares, sendo que os subsídios agrícolas dos Estados Unidos, bem como da União Européa  não chega aos 800 milhões diariamente.  Não existem verbas para o tratamento da AIDS... mas os benefícios para o complexo industrial bélico – militar  abarca  na quase totalidade  a economía mundial.  È necessário compartir justamente.  Não existe melhor campo para a radicalização, a animadversión e a agresividade que a humilhação e a exclusão.  A violência não se justifica, mas suas origens devem ser examinadas com atenção. 

Em lugar de fortalecer o multilateralismo, e dotar  as Naciones Unidas de meios e autoridade necessários para empreender um grande plano global de desenvolvimento em benefício de todos, continuam  as mesmas regras de exploração dos recursos naturales de países progresivamente empobrecidos cuja cidadanía  é obrigada a  emigrar em circunstâncias que com frecuência constituem um agravo a sua dignidade.  Não é com votos de cabestro, com obediência cega e com medo, que se constroe e consolida a verdadeira democracia.  Não é com guerras ambiciosas, com demostrações de força, ações bélicas e invasões dirigidas por interesses económicos e energéticos - que geram uma espiral de violência, de ação e de reação, de intervenção e represália – que podemos enfrentar os grandes e assimetrías de toda ordem que  apresenta a situação mundial.

Os governantes abdicaram de suas responsabilidades, substituíram valores universais pelas leis do mercado. O resultado é a concentração de  riqueza em umas quantas mãos e o aumento das brechas  sociais e econômicas.

Não a Pobreza! 

Temos que exigir dos governantes, a través de um autêntico clamor a escala mundial, que priorizem o cumprimento dos objetivos do Milenio. Chegou o momento da não resignação e da ausência pessoal.

Proclamamos, uma vez mais, que não se justifica os atentados e a violência, venha donde venha.  Condenamos todo tipo de terrorismo:  principalmente de  grupos ocultos nas sombras e o terrorismo de Estado.  O Estado utiliza a tortura, os maus tratos, agride o ser humano, viola reiteradamente o derecho internacional y humanitário.

È necessário que a Comunidade Internacional ponha um fim a esta barbárie, aos massacres em massa.  Como está estabelecida na Carta das Naciones Unidas são os povos que devem decidir seu destino.  Temos o dever de somar vozes de todo o mundo para reafirmar:  BASTA DE  GUERRA E DE  VIOLÊNCIA.

Estamos calados. Acabemos com este silêncio.  Os povos elevaram su voz.  A guerra é una tragédia para todos.  È preciso  desarmar la razão armada.  Hoje, mais que nunca é preciso desenvolver a capacidade de dialogar, de fazer alianzas, o compromiso de tentar resoluções pacíficas de conflitos, incrementar atitudes de encontro e respeito aos demais, mediante a aplicação cotidiana dos Dereitos Humanos. 

È necessário mudar o curso dos acontecimientos através de ações coletivas, desenvolvendo a solidaridade entre los povos. Urge que os intelectuais, artistas, educadores, cientistas abandonem  a passividade e passem a ação direta.  Somente assim  suas palabras, suas crónicas, sua palabra terão o devido crédito e poderão contribuir para somar esforços  a de outros tantos  para deter a  loucura desta guerra, desta confrontação e desta  violência.

Nosso momento chegou. Principalmente para os jovens, mulheres, e homens que acreditam que um mundo melhor é possivel.

As instituções e meios de comunicação devem ajudar a incentivar a cidadania mundial,  deixar de ser meros espectadores e desempeñarme sua real função de protagonistas que desenham o futuro.  Os governantes, parlamentares, miembros de Conselhos Municipais... têm uma especial responsabilidade nesta mudanza  histórica.

È a vez das culturas religiosas, as mais diversas, unidas pela solidaridade e o  amor ao próximo que se ponham a frente deste resgate da dignidade humana.

È necesario que os povos assumam a resistencia social, cultural e politica e espiritual a través de movilizações, da não cooperação com a violência e a injustita. Somar  esforços com outros povos e denunciar os responsaveis pelas dominações e pela dor que afeta la humanidad.

Temos que nos colocar de pé, de pé con a paz e caminar para novos horizontes de vida e não de morte.  Apesar de tudo, esta é a esperanza.

Con o olhar fincado nas gerações vindouras, conclamamos a todos que sintam igualmente concernidos para que se manifiestem pacíficamente, através de todos os meios a seu alcance, presente o virtualmente, sua adesão a  paz:

NÃO À GUERRA E À VIOLÊNCIA!

SIM A PAZ E A JUSTIÇA!

Si conseguimos aglutinarmos e difundir nosso pensamento, logo estaremos “mundializando a conciência”, para lograrmos a independência real dos pueblos.

Primeiros signers: 

Adolfo Pérez Esquivel - Nobel do la Paz, Argentina

Mario Soares - Ex-Présidente de Portugal

Federico Mayor Zaragoza - Presidente da Fundación Cultura de Paz, Espanha

Pere Casaldàliga - Bishop, Brasil

Danielle Mitterrand - Présidente France Libertés, França

François Houtart - Théologaux, Belgique

Montserrat Ponsa - Jornalista, Catalunya, a Espanha

Luís Eduardo Aute - Autor-de-canções-cantor, a Espanha

Arcadi Oliveras - Présidente Justicia i Pau, Catalunya, Espanha

Ernesto Cardenal - Théologaux, Nicaragua

Marilia Guimaraes - Présidente Comitê do Defensa da Humanidade, Brasil

Handel Guayasamín - Arquiteto, Ecuador

Silvio Rodríguez - Autor-de-canções-cantor, Cuba

James Cockcroft - Escritor, EUA

Eliseu Climent, Valencia, Spanha

José Enrique González Ruiz, Mexico

Giovanni Parapini, Jornalista, Roma

Marianna Masciolini, Comunicação, Roma

María Novo - escritora e ambientalista, Espanha

Betty Williams - Nobel do la Paz, Ireland

Joan Saura - conselheiro da generalitat de catalunya, Espanha

 

 

Se você quer juntar-se a este Manifesto, por favor, preencha esta forma ou envie um SMS* com a palavra PEACE a (de Espanha: 911061589 ); (de outros países:  +34696061589)

Nome
Sobrenome
E-Mail
Instituição
País
 

 

 

 
 
*Preço da chamada de Espanha, máximo 0 '15 + impostos

*Preço de chamada de um outro país, preço de enviar um SMS ao estrangeiro

  Aderidos ao Manifesto